quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Jovem atendida 8 vezes em PS de SP morreu de hemorragia interna, diz IML

audo divulgado nesta quarta-feira (22) pelo Instituto Médico Legal (IML) de Franca (SP) aponta que a jovem Luara Prieto Ribeiro, de 25 anos, morta após passar por uma cirurgia na Santa Casa de Franca morreu em decorrência de um choque hipovolêmico - também chamado de choque hemorrágico - e de uma hemorragia intra-abdominal. Antes de ser operada, Luara passou oito vezes pelo pronto-socorro Dr. Álvaro Azzuz, e segundo a família, morreu sem diagnóstico preciso.
Para o pai de Luara, o empresário Silson Ribeiro, o resultado do exame mostra que houve erro médico no diagnóstico da jovem. Procurado pelo G1, o médico legista responsável pelo laudo não foi encontrado para comentar o resultado até a publicação desta matéria.
O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp), a Secretária Municipal da Saúde e a Polícia Civil apuram o caso.
Laudo do IML
O detalhamento do laudo mostra que Luara teve aproximadamente dois terços do intestino grosso retirados na cirurgia a que foi submetida no dia 6 de janeiro deste ano. O exame também destacou grande quantidade de coágulos sobre as vísceras da jovem.
Não foi encontrado, no entanto, nenhum tipo de infecção abdominal. O laudo apontou "ausência de secreção purulenta ou indícios de infecção intra-abdominal." Os rins de Luara também foram examinados, e encontravam-se em "condições normais", segundo o IML.
O pai de Luara, que recebeu o laudo nesta quarta-feira, acredita que a filha tenha sido vítima de erro médico. "O laudo fala que não tinha indícios de infecção dentro dela. Falaram que ela tinha um abcesso na tomografia. Mas aqui [no exame] aparece que ela não tinha nada. Eles não sabiam o que ela tinha. Foi erro médico, foi negligência. Ela morreu um dia após fazer a cirurgia", afirma.
Ribeiro afirmou que irá encaminhar o resultado do laudo do IML à Polícia Civil e ao Cremesp, que investigam o caso. "Agora eu espero por Justiça. Quero ver o que eles vão dizer com esse laudo. Até agora eu não sei dizer por que minha filha morreu. Ela estava bem quando entrou naquele centro cirúrgico. Estou sofrendo muito, mas só quero a verdade", diz.
O caso
O drama de Luara começou no dia 15 de dezembro do ano passado, quando a jovem começou a sentir fortes dores abdominais. Segundo o pai, a jovem foi medicada no pronto-socorro municipal, e posteriormente liberada. As dores, no entanto, permaneceram. Luara voltou à unidade de saúde outras sete vezes, até ser encaminhada para internação na Santa Casa no dia 23 de dezembro e receber alta três dias depois.
No dia 31 de dezembro, Luara voltou a passar mal e foi novamente encaminhada para a Santa Casa. Segundo o pai da vítima, a jovem passou por cinco médicos diferentes, mas nenhum diagnóstico preciso foi apresentado. Luara fez uma endoscopia no dia 3 de janeiro, e passou por uma cirurgia no dia 6. Do centro cirúrgico, ela foi direto para o Centro de Terapia Intensiva (CTI) da Santa Casa. No entanto, a jovem morreu na noite de 8 de janeiro.
A Secretaria de Saúde de Franca abriu sindicância interna na pasta e na Santa Casa para apurar o caso. Segundo a secretária Rosane Moscardini, o diagnóstico do primeiro atendimento da paciente aponta que Luara tinha uma infecção de urina.
O Cremesp deve ouvir nos próximos dias todos os médicos envolvidos no atendimento da auxiliar administrativo. A Polícia Civil também investigam a morte da jovem.
Luara Prieto Ribeiro tinha 25 anos e morreu após passar por uma cirurgia na Santa Casa de Franca, SP (Foto: Márcio Meireles/EPTV)Luara Prieto Ribeiro tinha 25 anos e morreu após passar por uma cirurgia na Santa Casa de Franca, SP (Foto: Márcio Meireles/EPTV)

2 comentários:

Fernanda Barcelos disse...

Podem esquecer o cremesp, pois vão abafar o caso,na dp podem até sumir peças do inquérito, eo promotor de justiça é o último a saber, olhem bem o prontuário de atendimento pois pode ser adulterado, e vão dilundo as provas para ganhar tempo, os médicos são altamente coorporativistas, eles vão ligando um para outro até chegar onde interessa abafar, até no ministro da saúde e juizes, promotores etc... mas se for forte e um bom advogado ajuda muito , sucesso nesta luta.,, um abraço de quem passa por isso
http://ratosdebranco.blogspot.com/

Fernanda Barcelos disse...

Podem esquecer o cremesp, pois vão abafar o caso,na dp podem até sumir peças do inquérito, eo promotor de justiça é o último a saber, olhem bem o prontuário de atendimento pois pode ser adulterado, e vão dilundo as provas para ganhar tempo, os médicos são altamente coorporativistas, eles vão ligando um para outro até chegar onde interessa abafar, até no ministro da saúde e juizes, promotores etc... mas se for forte e um bom advogado ajuda muito , sucesso nesta luta.,, um abraço de quem passa por isso
http://ratosdebranco.blogspot.com/