domingo, 1 de fevereiro de 2015

compra de barraca expositora

compra de barraca expositora: Participe da minha vaquinha!



Pela primeira vez o MOBEM - faz  uma campanha para a compra da barraca sanfonada expositora,mesa , cadeiras,material impresso de divulgação,camisetas e banner.Todos os produtos terão suas notas fiscais publicadas no blog Basta de erros médicos,quanto na página do facebook.O som com microfone e megafone foram comprados com os nossos próprios recursos.As doações acima de R$ 70,00 receberão uma camiseta do movimento pelos correios.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Dona de casa morre após cirurgia de tireoide e polícia investiga erro médico

Uma dona de casa morreu após uma veia ter ficado bloqueada três dias após uma cirurgia de tireoide realizada no Hospital Santa Izabel, em Salvador. Maria de Fátima Silva, de 34 anos, foi submetida ao procedimento no dia 14 deste mês. O médico responsável, Antônio Carlos Rebouças, foi suspenso preventivamente pela diretoria da unidade de saúde. A Polícia Civil investiga a causa da morte.
A família resolveu procurar a polícia por desconfiar de erro médico. "Toda cirurgia corre risco, mas a de minha irmã era simples. Quando disseram derrame cerebral, que não tem nada a ver com tireoide, eu acredito, eu falei, tem algum erro e se tem algum erro eu não vou deixar enterrar sem provas", afirmou a irmã da vítima, Elaine das Neves.
O delegado Adailton Adan abriu inquérito e acompanhou a autópsia no Instituto Médico Legal (IML). "Verificamos, in loco, que houve realmente um erro no procedimento cirúrgico e vamos saber o que aconteceu. Vamos ouvir médicos, os enfermeiros, anestesistas, todos que foram envolvidos com o episódio, para fazer a indivualização de conduta do procedimento", afirmou o delegado.
A diretoria técnica do hospital afirmou que uma sindicância foi aberta pelo Conselho Regional de Medicina da Bahia (Cremeb). A unidadeentende que pode ter tido negligência, imperícia ou imprudência. A direção do hospital forneceu à polícia o laudo de exames realizados na paciente. No relatório, foi indicada a realização do exame de trombose cerebral, além da falta de fluxo de sangue na veia jugular.
"A carótida foi obstruída, impedindo o fluxo de sangue para o cérebro, fazendo com que ela tenha tido morte cerebral. É o que os exames nos mostram. Após as investigações, é que poderemos dizer quem são as pessoas que serão responsabilizadas", afirma o delegado. O médico que fez a cirurgia disse que houve complicações logo depois que a paciente operou. Ele confirmou também que foi chamado para prestar depoimento à polícia.
tópicos:

terça-feira, 28 de outubro de 2014

CHEGA DE ERROS MÉDICOS BRASIL: CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA ABRE FOGO CONTRA OS M...

CHEGA DE ERROS MÉDICOS BRASIL: CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA ABRE FOGO CONTRA OS M...: VEJAM ISSO AMIGOS: O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA QUER CALAR A BOCA DOS MOVIMENTOS QUE LUTAM PELO FIM DOS ERROS MÉDICOS NO PAÍS, MAS ...

Jovem denuncia erro médico após retirar pano de dentro do corpo

http://globotv.globo.com/tv-tem-interior-sp/tem-noticias-1a-edicao-itapetiningaregiao/v/jovem-denuncia-erro-medico-apos-retirar-pano-de-dentro-do-corpo/3718022/

TJ-SP condena Prefeitura a indenizar paciente em R$ 15 mil por erro médico

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) condenou a Fundação Municipal de Saúde de Rio Claro (SP) a pagar uma indenização de R$ 15 mil por danos morais devido a um erro médico. O caso aconteceu em 2008, quando um paciente teve uma infecção generalizada após ser atendido com dores de dente no serviço odontológico municipal. O Departamento Jurídico da Prefeitura informou que estuda  o processo, gerado no governo passado, para decidir sobre um possível recurso.
Ainda segundo o TJ-SP, após a extração do dente, o paciente sofreu a infecção por conta de um resíduo que ficou na boca. Por conta disso, foi necessário realizar uma traqueostomia (incisão da tranqueia) para a circulação do ar.
Por meio da assessoria de imprensa, o relator Francisco Antonio Bianco Neto explicou que a negligência da equipe médica ficou evidente. “A sucessão dos fatos demonstra a ineficiência da equipe médica, no procedimento de exodontia que, se realizada de modo correto, poderia ter evitado a ocorrência do lamentável resultado verificado”, disse.
Fonte :G1

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Justiça seja Feita - Erro Médico

Justiça seja Feita - Erro Médico

Hospital Carlos Chagas: pacientes reclamam do atendimento e das condições do hospital

Polícia identifica médico que não teria atendido bebê no RJ

A polícia investiga se houve omissão no socorro à grávida que teve um bebê a caminho do Hospital Adão Pereira Nunes, em Saracuruna, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. O médico que teria se recusado a atender mãe e bebê já foi identificado. A família e um policial dizem que um médico e um maqueiro se recusaram a atender os dois. Depois de muita discussão a mulher e o bebê foram levados para dentro do hospital por outro médico, cerca de meia hora depois. A criança não resistiu.
O médico é aguardado para ser ouvido na 61ª DP (Xerém). O delegado Jefferson Ferreira investiga se houve omissão de socorro seguida de morte.
“Já requisitei as imagens do circuito interno do hospital. Vai ser instaurado um inquérito para apurar a eventual omissão do médico. Com o laudo cadavérico a gente vai poder esclarecer melhor a situação, podendo até chegar a um homicídio doloso, em razão de o médico ser o agente garantidor e ter faltado com o dever”, disse o delegado.
A mãe, Aline da Silva Gomes, de 23 anos, continua internada no hospital. Grávida de seis meses ela passou mal na manhã de segunda-feira (13) e foi levada para a emergência do hospital. Segundo a família, o bebê nasceu dentro do carro e chegou a chorar.  Ao chegar ao hospital um policial pediu ajuda a um funcionário, que chamou o médico, como contou a mãe de Aline, Maria José da Silva Gomes.
“Foi o maqueiro que veio. O médico tinha mandado ele pegar. Quando ele chegou no carro, disse “isso não é obrigação minha, é obrigação do médico vir buscar a paciente com a bebezinha que já está nascida dentro do carro, eu não posso colocar a mão”, contou Maria José.
De acordo com a polícia, o médico teria se recusado a atender a mãe e o recém- nascido.
“Como o médico estava demorando, o policial que estava presente ali foi atrás do médico. O médico disse que não ia atender. Só não disse o motivo, Ele não quis vir”, relembrou o pai de Aline, Sebastião Gomes.
O atendimento só teria sido feito meia hora depois por um outro profissional.
“O bebezinho estava vivo. Com vida, chorando e tudo”, assegurou a avó.
Segundo a família, em 20 minutos veio a notícia de que a pequena Isabela, nome do bebê, não tinha sobrevivido. Dona Maria José conta que a gravidez da filha era de risco, por conta do deslocamento da placenta.
O corpo da recém-nascido está no Instituto Médico Legal (IML) de Duque de Caxias.
Em nota a Secretaria Estadual de Saúde afirmou que pelas imagens do circuito interno, no momento da chegada do paciente, não havia enfermeiro no acolhimento. Isso foge aos protocolos de atendimento adotados pela Secretaria de Saúde em todos os hospitais estaduais. A secretaria afirma ainda que vai continuar as apurações, com a abertura de inquérito administrativo para apontar as responsabilidades por este erro no protocolo de atendimento.

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Bebê morre em hospital de Itumbiara devido a erro médico, diz família

A família de Mateus Henrique Guimarães da Silva, de 1 ano e 4 meses, denuncia que a criança morreu, na sexta-feira (26), devido a um erro médico em um hospital particular de Itumbiara, no sul goiano. A Polícia Civil investiga o caso.
O Hospital Unimed informou, em nota, que está apurando a causa da morte de Mateus e só vai se pronunciar sobre o caso após o resultado dos procedimentos instaurados. A direção da unidade de saúde afirmou, ainda, que prestará todos os esclarecimentos necessários.
De acordo com a mãe do menino, Decyane Dias Guimarães, ela procurou o hospital porque o filho estava com diarreia, vômito e sintomas de gripe. Os pais relatam que a criança piorou após ter sido medicada com orientação médica.
“Ele ficou amarelinho e começou a gelar as mãos, falei com a enfermeira que ele não estava bem, ela disse que estava, mediu, fez algumas coisas e vazou. Chamei a doutora, a doutora veio, meu filho passou mal, desmaiou, ela o tomou da minha mão e saiu correndo com ele”, conta Decyane.
Poucas horas depois, os pais foram informados da morte de Mateus. “Não sei o que fazer mais sem ele, era o único filho que eu tinha”, diz a mãe.
Desesperados com a morte do menino, o casal procurou a polícia. “Isso não pode ficar impune não, como a menina [enfermeira] dá uma injeção no menino, que faz mal e enfarta o menino”, reclama o pai, Tales Afonso Mendes. A Polícia Civil informou que vai ouvir a médica que atendeu Mateus na segunda-feira (29).
O corpo do menino deve ser enterrado às 12h deste sábado (27).
Mateus Henrique Guimarães da Silva, de 1 ano e 4 meses, morre em hospital de Itumbiara, Goiás (Foto: Reprodução/ TV Anhanguera)Mateus Henrique morre em hospital de Itumbiara (Foto: Reprodução/ TV Anhanguera)
tópicos:

TJ condena laboratório do DF por erro em biópsia de mulher com câncer

A 10ª Vara Cível de Brasília condenou um laboratório a pagar R$ 15 mil para cada um dos dois filhos de uma historiadora que recebeu tratamento inadequado e acabou morrendo de câncer após um erro na biópsia feita pela entidade. Cabe recurso à decisão.
De acordo com a ação, a vítima tinha 78 anos quando iniciou tratamento contra um câncer no pâncreas. Dois anos depois, após o agravamento na doença, o oncologista pediu que ela fizesse o exame. O laudo apontava que ela sofria de adenocarcinoma, quando, na verdade, a mulher estava com um linfoma.
O médico teria percebido que a paciente não melhorava com a medicação específica e pediu ao laboratório uma contraprova. No segundo exame, o laboratório reconheceu que houve equívoco. A mulher morreu em janeiro de 2012, um mês depois da biópsia.
A empresa disse em defesa que não houve ato ilícito e negou a existência de danos. A interpretação da Justiça, no entanto, foi diferente. Responsável por analisar o caso, o juiz Luiz Otavio Rezende de Freitas entendeu que o erro no diagnóstico influenciou diretamente na escolha dos remédios usados no tratamento.
“Vislumbro que o conjunto probatório permite a constatação de que o laudo fornecido pelos prepostos do laboratório réu influenciou diretamente no tratamento ofertado [...]. À evidência restou constatado que os remédios utilizados pela paciente não seriam os recomendados para o tratamento da doença, fator esse, a meu sentir, decisivo para o insucesso no tratamento, e, por conseguinte, pelo abreviamento da sobrevida da paciente, cujo quadro clínico, apesar de grave, poderia, em tese, ser estabilizado, desde que a paciente tivesse sido corretamente diagnosticada e tratada”, disse, na sentença.
Fonte : G1

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Familiares suspeitam de erro médico na morte de bebê em Petrolina, PE

Um bebê de 11 meses morreu emPetrolina, no Sertão pernambucano, no Hospital Dom Malan (HDM/IMIP). De acordo com a família, ela estava com diarreia e vomitando e pode ter sido vítima de um erro médico. A morte aconteceu no domingo (14), mas a criança foi hospitalizada na unidade na sexta-feira (5).
A mãe Claudice da Silva que é trabalhadora rural disse que a menina passava mal há alguns dias. “Toda mãe sofre, toda noite sem comer nada. Eu ficava olhando para ela naquela cama e sofrendo dia e noite e eles dando esperança que ela vai voltar”, destaca.
A família acredita que houve erro médico. “O primeiro soro foi tudo bem e no segundo soro, ela começou a piorar. A mãe dela disse que colocaram diazepam dentro do soro da criança, começou a passar mal e entrou em coma”, destaca avó de Larissa, Solange Corrêa.
A tia Claudiana da Silva disse que procurou o Ministério Público para fazer uma reclamação . “Disseram que para dar entrada no processo, o médico tinha que liberar o laudo da menina, o principal, elas deram um papel para retirar todos os documentos, para dar entrada, agendou só, mas dá entrada só dia 20 de setembro”, enfatiza.
Segundo a assessoria do HDM/IMIP, a menina apresentou quadro convulsivo e foi medicada com o diazepam, em uma dose habitualmente recomendada para esses casos. Ainda segundo o hospital, a criança também apresentava um quadro de forte desidratação. Os médicos tentaram reidratá-la, mas a criança não ressistiu e veio a óbito.
Fonte: g1

Investigação do CRM-PI atesta erro de médica cubana ao medicar criança

O Conselho Regional de Medicina do Piauí (CRM-PI) atestou que uma médica cubana errou ao receitar um medicamento para uma criança na cidade de Inhuma, ao Sul de Teresina. De acordo com a denúncia, a médica teria prescrito uma dosagem excessiva de um remédio para infecção pulmonar.
Na receita, a médica recomendou cinco medicamentos, sendo que a comissão avaliou que a substância “Naproxeno, 500 mg” para ser ingerida de oito em oito horas é uma dosagem excessiva.Segundo o CRM, a super dosagem pode provocar perfuração gástrica em uma criança de oito anos.
O Conselho Regional de Medicina informou que já tem todas as provas do erro médico e que vai encaminhar o caso para os Ministérios Públicos Estadual e Federal. A comissão do Programa Mais Médicos no Piauí informou que não recebeu nenhuma notificação do CRM-PI e que os médicos cubanos são todos supervisionados.

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Espera por atendimento nas UPAs chega a sete horas Leia mais: http://extra.globo.com/noticias/rio/espera-por-atendimento-nas-upas-chega-sete-horas-13887064.html#ixzz3D6TCrqWf

Na entrada da UPA de Realengo, o barbeiro André Tenório, de 32 anos, abre uma marmita e dá comida na boca de seu filho Isac, de 3 anos. Sentado num toco de madeira, o menino, com mais de 40 graus de febre, aguarda por atendimento médico desde as 9h, quando chegou com o pai na unidade.
A cena, flagrada pela equipe do EXTRA às 15h desta terça-feira, não é exclusividade da UPA de Realengo: ainda nesta terça, o EXTRA percorreu dez unidades nas zonas Norte, Oeste, Sul, em São Gonçalo e na Baixada e, durante o percurso, se deparou com problemas como falta de equipamento e de médicos e até salas de espera lotadas, com pacientes aguardando até sete horas pelo atendimento.
— Cheguei com meu filho e minha mulher às 9h. O Isac passou a madrugada acordado, com febre. Até agora não comemos nada e não fomos chamados. Por isso, tive que apelar para a solução da quentinha — desabafa André.
A espera de sete horas não é prevista pela Secretaria estadual de Saúde. Segundo Elson Santos de Oliveira, coordenador de atendimento das UPAs, o tempo máximo de espera para atendimento é de três horas, em casos de menor urgência. Em tese, o atendimento é imediato em casos de maior gravidade.
Rainan Bittencourt, de 17 anos, machucou o pé em um acidente de moto na noite da última segunda-feira e precisava de uma radiografia para diagnosticar a lesão. Pouco depois do meio-dia de ontem, entrou, carregado por sua mãe, na UPA de Magalhães Bastos. Cinco minutos depois, saiu: não havia aparelho de raios-X no local. Pouco depois, na unidade de Realengo, nova decepção: Rainan teve de ir ao Hospital estadual Albert Schweitzer para tirar raios-X.
Na UPA do Alemão, o vigilante Fábio Lívio Dire Feliciano, de 36 anos, teve atendimento negado após desmaiar na rua com dores nos rins. Ele foi socorrido por Marco Antônio do Patrocínio, de 40 anos, que passava no local:
— Ele não aguenta andar. Mesmo assim, mandaram procurar o Hospital Getúlio Vargas — queixou-se.
Outros problemas
Na UPA da Penha, o tempo médio de atendimento era de sete horas, na tarde de terça-feira. Já na unidade de Realengo, pacientes aguardavam mais de seis horas por atendimento. Em Bangu, por volta das 18h, dez pacientes desistiram do atendimento por conta da espera de até quatro horas.
Nadja disse que foi bem atendida e recebeu os remédios de que precisava
Nadja disse que foi bem atendida e recebeu os remédios de que precisava Foto: Pedro Paulo Figueiredo / pedro Paulo figueiredo
Nas UPAs de Magalhães Bastos e Realengo, pacientes que precisavam de radiografia eram aconselhados a procurar o Hospital Albert Schweitzer. Já na UPA de Senador Camará, pacientes reclamavam da falta de medicamentos.
Situação é melhor na Maré e na unidade de Copacabana
Separadas por cinco anos e três meses, as primeira e última Unidades de Pronto-Atendimento (UPAs) estão entre as melhores das 45 abertas. Na Maré, a primeira UPA, inaugurada em maio de 2007, o tempo médio de atendimento, até o início da tarde de terça, foi de duas horas. Havia dois pediatras e três clínicos no plantão, segundo uma funcionária, mas a quantidade de pacientes aumentou o tempo de atendimento. Com febre e dores, a dona de casa Nadja Vasconcelos, de 48 anos, procurou a unidade pouco antes de meio-dia e só saiu às 13h45m:
— Fui bem atendida e o raio-X ficou pronto rápido, mas demorou porque tinha muita gente. Deram até o antibiótico — comentou.
Com cinco clínicos e três pediatras por plantão de 12 horas, e um dentista e um auxiliar por escala de 24, a UPA de Copacabana, na Zona Sul, inaugurada em setembro do ano passado, tem um tempo de atendimento que varia do imediato até três horas, dependendo da classificação do paciente. Mas há quem reclame da demora. A lentidão foi motivo de queixa para a caixa de supermercado Maria Euzébia Gomes, de 54 anos. Com tendinite no braço direito e até dormência, ela chegou ás 8h53m, mas só foi atendida às 11h26m.
— Além da espera devido à falta de funcionários para atender todo mundo, a enfermeira ainda errou a minha veia, na hora de aplicar a injeção, e teve que furar os dois braços. Um absurdo — desabafou ela.
Segundo Elson Santos de Oliveira, coordenador de atendimento das UPAs do governo estadual, um dos fatores que podem ocasionar a demora no atendimento é o deslocamento de médicos que precisam, eventualmente, acompanhar pacientes graves em exames em outras unidades:
— Uma equipe de monitoramento percorre todas as UPAs para detectar o que está fora do esperado. Se houver falta de algum profissional, por exemplo, eles se comunicam com o coordenador da UPA e com a secretaria, em busca de um profissional para suprir essa necessidade. Isso é feito no mesmo dia — explicou Edson.
Secretarias de saúde contestam
UPA de Bangu lotada: pacientes desistiram de atendimento após demora de quatro horas
UPA de Bangu lotada: pacientes desistiram de atendimento após demora de quatro horas Foto: Marcelo Theobald
De acordo com a assessoria de imprensa da Secretaria estadual de Saúde, a coordenação da UPA informou que a unidade de Realengo trabalhou nesta terça com quadro clínico completo, com cinco clínicos gerais e três pediatras. A coordenação da unidade negou que o equipamento de raios-x não estava funcionando, e afirmou que foram realizados ontem 42 exames com o aparelho.
Ainda segundo a assessoria, a UPA da Colubandê funcionou ontem com quatro clínicos e um pediatra, mas dois profissionais teriam faltado sem aviso prévio. A coordenação informou ainda que a unidade está com dez leitos intensivos e três vermelhos semi-intensivos (que tem os mesmos equipamentos de uma Unidade de Terapia Intensiva) ocupados, o que teria elevado o tempo de atendimento dos pacientes menos graves.
Já segundo a Secretaria municipal de Saúde, a coordenação da UPA Alemão informou que a unidade contou com três médicos, dois dos quais eram pediatras nesta terça. Um clínico do plantão teria pedido demissão. Ainda de acordo com a assessoria, o monitoramento dos serviços prestados pelas unidades é feito por uma comissão de servidores municipais da área técnica.
Veja as notas na íntegra:
Secretaria municipal de Saúde:
“Não houve qualquer mudança recente nos contratos. Todos os profissionais contratados pelas UPAs estão com os pagamentos em dia. O monitoramento dos serviços prestados pelas unidades é feito por uma comissão de servidores municipais da área técnica, com metas específicas a serem alcançadas por este tipo de unidade. O principal problema encontrado hoje é a lotação de profissionais médicos em algumas regiões da cidade. Há uma variação do tempo de espera conforme demanda e quadro clínico do paciente. As UPAs, assim como outras unidades de urgência e emergência, funcionam com política de classificação de risco, em que os casos mais graves têm prioridade de atendimento. Os de menor gravidade são atendidos na sequência, podendo, para esses casos, haver maior tempo de espera. É importante ressaltar que, de 2010 a 2013, as 14 UPAs municipais já realizaram mais de 16 milhões de procedimentos, sendo 1,222 milhão em 2010; 4,267 milhões em 2011; 4,746 milhões em 2012; 6,071 milhões em 2013.”
Secretaria estadual de Saúde:
“UPA PENHA: A coordenação da UPA da Penha informa que não há pediatras na unidade. Desde sua criação, a estratégia de atendimento é que os pacientes infantis são atendidos por pediatras no Hospital Estadual Getúlio Vargas, que fica em frente à unidade. Nesta terça-feira, dia 9 de setembro, a unidade contou com 6 médicos e realizou 404 atendimentos até as 18h.
UPA BANGU: A coordenação da UPA de Bangu informa que a unidade trabalhou hoje com 4 clínicos gerais e 2 pediatras - um pediatra e um clínico faltaram sem aviso prévio e, apesar dos esforços, não foi possível repor os profissionais. Entre os pediatras presentes, um chegou atrasado à unidade, o que prejudicou o atendimento. Foram atendidos nesta terça-feira 245 pacientes. As Unidades de Pronto Atendimentos foram criadas para atender a pacientes de baixa complexidade e, por isso, só contam com clínicos gerais e pediatras.
UPA COLUBANDÊ: A coordenação da UPA informa que a unidade funcionou hoje com 4 clínicos e 2 pediatras - um pediatra e um clínico faltaram sem aviso prévio e, apesar dos esforços, não foi possível repor os profissionais. Foram realizados 354 atendimentos no local. A coordenação informa ainda que a unidade está com 10 leitos intensivos e 3 vermelhos semi-intensivos (que tem os mesmos equipamentos de uma Unidade de Terapia Intensiva) ocupados, o que teria elevado o tempo de atendimento dos pacientes menos graves.
UPA REALENGO: A coordenação da UPA informa que a unidade trabalhou hoje com quadro clínico completo, com 5 clínicos gerais e 3 pediatras. Foram atendidos nesta terça-feira 313 pacientes. Sobre o equipamento de raio-x, a coordenação esclarece que NÃO PROCEDE a informação de que o equipamento não estava funcionando. Ao longo de todo o dia, o aparelho realizou 42 exames”.


Leia mais: http://extra.globo.com/noticias/rio/espera-por-atendimento-nas-upas-chega-sete-horas-13887064.html#ixzz3D6TLB6XL